Este é um blog pessoal, onde colocarei textos escritos por mim em momentos de alegria e de angustia e textos que chegam em minhas mãos através de e-mails de amigos e que de alguma forma tocam meu eu interior.

15 de abril de 2016

Novo Olhar

Hoje meus olhos se abriram e viram o velho como novo; quantas mudanças, quantas arestas aparadas.
O novo não precisa ser novidade, pode ser o velho renovado, recriado, repensado, modificado, melhorado, porém a essência, o espírito continua o mesmo. aquela centelha divina nos dando vida e que por tanto tempo e por tantas vezes fica apagada em nosso ser em nossa alma.
Ela quer brilhar nos iluminando o caminho, os passos, as decisões e não permitimos porque queremos grandes respostas, grandes acontecimentos e não a simplicidade do ser, do existir.
O que é a vida?
 Nascer, crescer, envelhecer, morrer e assim ir repetindo por toda a eternidade?
O que é a vida?
Nos surpreendemos quando ouvimos que alguém morreu, mas por acaso não morremos a cada vez que adormecemos e não nascemos a cada despertar?
Nossa vida é um eterno despertar. Não importa se aqui, se na eternidade do universo ou dentro de cada um de nós. O que importa é o despertar e como despertamos.
Se despertamos com a centelha divina brilhando em nós saberemos sempre o rumo certo, mesmo remando contra todas as marés, sempre a veremos brilhar á nossa frente.
Se despertamos com a centelha divina coberta por magoas, pensamentos negativos, rancores e ódios, não temos a certeza do rumo a seguir e seguiremos para onde a maré nos levar.
Somos importantes demais para nos deixarmos levar por uma centelha de luz interior, isso é para os fracos, tudo gira ao meu redor, tenho tanto a fazer, a pensar, a decidir, tantos dependem de mim, de minhas decisões, não posso parar por bobagens de quem não se importa em crescer na vida.
Um dia uma doença, um acontecimento, uma perda irreparável e penso o que fiz da minha vida? Onde me perdi? Onde deixei meu eu?
Agora como farei e o que fazer? Para onde correr? estou só, parece que o mundo parou e não tenho como continuar; tantas pessoas ao meu redor e estou só, não me conheço, não sei como prosseguir...
Sou eu frente ao universo desconhecido. A centelha começa  a brilhar e começo a ver ao meu redor quanta vida não vivida, quanta beleza não vista ou vista superficialmente porque era bonito de ver.
Quantos sons não percebidos, o pulsar da vida dentro de nós.
Vivi dentro de uma caixa que era levada ao sabor das ondas calma, ou tortuosas ou muitas vezes submergindo e subindo novamente.
O que mudou?
Quando o mundo parou a caixa se despedaçou, tive que sair, ver, ouvir e sentir; continuava só, mas o calor da centelha não permitia o isolamento, ficara tantos anos submersa por tantas coisas que agora queria, exigia liberdade.
Liberdade tem um preço e muitas vezes alto. Ficamos diferentes, dizemos sim e não de acordo com nossa vontade, seguimos nossos sentimentos. Muitos nos deixam, outros deixamos nós, a responsabilidade para com o nosso eu aumenta, começamos a perceber o valor de cada passo, de cada amanhecer, de cada despertar. Muitas e muitas vezes dói muito e a cachoeira das lágrimas brota com força total, a força do espírito que está ali lavando tudo, não permitindo que nos afoguemos na piedade, no vitimismo, a coragem é fraca mas está ali de mãos estendidas para que a tomemos e sigamos com nossos passos.
Era fácil pensar seguindo a maré, agora pensamos pelo nosso eu e muitas vezes nos parece impossível prosseguir; ficamos perdidos, carentes, confusos com vontade de abandonar tudo e deixar a vida correr ou terminar ali.
O espírito agora se libertou e precisa prosseguir rumo ao eu livre e sempre nos mostra uma saída, um rumo, fácil ou difícil depende do momento a seguir.
Cabe a nós querermos realmente essa liberdade de um novo olhar ou voltarmos para uma nova caixa ao sabor da maré.