Este é um blog pessoal, onde colocarei textos escritos por mim em momentos de alegria e de angustia e textos que chegam em minhas mãos através de e-mails de amigos e que de alguma forma tocam meu eu interior.

27 de julho de 2016

Em Busca da Menina que Ficou

Uma menina de oito anos olha o mar e o barco que a levará embora para muito longe ao encontro de seu pai que já partiu há algum tempo neste mesmo barco.
Ela compreende que esta partida não terá volta, que uma parte dela aí ficará para sempre com seus sonhos, sua alegre infância embora solitária sem amigos, mas tinha seu próprio mundo e o amor de seus pais. Agora começava a fazer amiguinhas na escola e tinha que deixar tudo isso pela promessa de uma vida melhor para todos. Ela não entendia o que poderia ser melhor que ir na escola aprender a ler sozinha, a escrever o que lhe vinha na cabeça, brincar com seus poucos brinquedos e sua tão amada boneca de olhos azuis.
Ela não chorava, no coração tinha a alegria de abraçar o pai em breve, o sonho de uma nova escola e a possibilidade de finalmente ter amigos reais para brincar.
Ela partiu e uma parte dela ficou ali em cada parte em que ela viveu desde que nasceu.
Como tantas crianças que partiram daquela terra e de outras com a esperança que um dia voltariam e a menina que partiu e a que ficou se encontrariam e seriam uma só.
Quem parte nunca é plenamente feliz, sempre fica um doce chamado do que não vivemos e a saudade do que deixamos.
Vamos crescendo, formando nossas vidas, famílias, envelhecemos e um dia voltamos, olhamos aquele mar, aquele lugar e resgatamos aquela menina, ouvimos pessoas falando com orgulho de não terem ido embora e então percebemos que temos orgulho da terra em que nascemos, mas nos rumos que tomamos pro vontade própria ou não temos orgulho da terra que nos recebeu de braços abertos e que vamos levar nossa menina junto.
As lembranças passam a ser mais doces, os lugares mais bonitos, não estamos mais presos ao que poderia ter sido, ao eu era feliz naquela vida simples, carente de muitas coisas, mas com alegria vemos que a simplicidade continua a existir, mas quem ficou tem tudo o que precisa e até mais que nós que partimos.
Não importa a idade que temos recuperar a alegria da infância interrompida sempre é bom e nos abre para novas perspectivas, nos tira do tipo que acabamos criando para nós mesmos, nos faz perceber que em qualquer época de nossas vidas temos que ser inteiros em tudo. Perdas sempre vamos ter, saber vive-las é sabedoria que não tem preço, viver a simplicidade em nosso eu interior sem imposições, negações, hábitos e pré conceitos, o segredo para ser feliz.